Blog

É o fim

É O FIM

É o fim
Dos meus poemas de amor.
Poemas tristes, dolorosos,
Recheados de ódio e de rancor.
Repletos de queixas e desamor.

Onde
Os poemas alegres, esperançosos
Que mantinham acesa a paixão
Que dilacerou o meu coração?

Poemas que se lembravam de ti,
Do “nós” que nunca existiu,
E se esqueciam de mim.

É o fim,
Dos poemas de amor,
Dedicados ao ogro, dedicados a ti.
Porque hoje é um novo dia
O dia em que te esqueci.

“Tamanho” é documento?

TAMANHO É DOCUMENTONavegando pela Internet, sem rumo certo, tomei um susto quando encontrei casualmente uma notícia: anunciava que um paciente, após ser submetido a uma cirurgia de aumento peniano (de 15 cm para 25 cm), apresentou arrependimento, retornando à clínica, desesperado, solicitando que os médicos revertessem a operação; isto é, reduzissem o seu membro para o tamanho “normal”.

Não pude deixar de pensar sobre o tema, afinal sabemos que essa preocupação é frequente entre os homens; não só na adolescência, mas até mesmo na idade adulta. Daí, o aumento de consultas a urologistas que, cada vez mais, ouvem a famosa afirmação: “Tenho o pau pequeno”. Por sinal, para a grande maioria dos casos, os médicos apresentam a resposta: “Seu pénis é normal”.

Mas, o que seria um pénis normal? Existe algum que seja anormal? Informo desde já que não pretendo neste texto ensinar ninguém a medir o tamanho desse membro, até porque não tenho um. Mas é bom elucidar um pouco o assunto que, ao longo de décadas, tem sido supervalorizado.  Isso vem contribuindo para o aparecimento de crenças erróneas, além da criação de uma indústria que visa o aumento peniano.

Que tal um pouco sobre a “normalidade” e “anormalidade” do pênis? Um pénis flácido mede de 5 cm a 10 cm de comprimento. O médico William H. Masters e a psicóloga Virginia E. Johnson, ambos norte-americanos, verificaram que o pénis em ereção mede de 12,5 cm a 17,5 cm. Vale ressaltar que o tamanho durante a flacidez não determina o tamanho durante a ereção.

Com relação à “anormalidade” do pénis, até os dias de hoje não há definição universalmente aceita para um pénis anormal, mas, para fins práticos, considera-se um pénis flácido de até 4 cm, e em ereção até 7,5 cm, como pequeno.

Especialistas afirmam que homens com membros menores podem satisfazer a mulher, da mesma forma que os dotados de membros maiores, uma vez que o mais importante para o prazer da parceira é a espessura.   Isso significa que o comprimento definitivamente não conta na hora de dar prazer à mulher.  Inclusive, porque a vagina tem profundidade variável de 9 cm a 12 cm, sendo que a  maioria das terminações nervosas relacionadas ao prazer sexual situam-se justamente na entrada. Deduz-se assim que a espessura do pénis seja mais importante do que o seu comprimento.

Apesar das informações anteriores, não me dei por satisfeita e decidi procurar dois urologistas.   Perguntei se a nacionalidade tem efeito sobre o tamanho do pénis. A resposta de ambos foi “não”. Completaram, dizendo que o que influencia é a raça. O tamanho médio dos pénis dos negros é maior que o tamanho médio dos pénis dos brancos.   No entanto, é possível encontrar homens com pénis de 8 cm até 32 cm, independentemente da raça. Também, casos raros, que extrapolam essa faixa; tanto para menos quanto para mais, variando não só em comprimento, mas também, em circunferência.

Decidi, também, perguntar diretamente a eles e a elas. Será que tamanho é realmente documento? Dividi em três grupos. Um com cinco mulheres, com idades compreendidas entre 25 anos e 30 anos. Outro, de sete homens, com faixa etária entre 27 e 35 anos; os integrantes desse grupo consideram que seus membros estão dentro das dimensões normais ou acima. Por fim, um terceiro, com cinco rapazes, entre 25 e 32 anos; os que se acham neste grupo acreditam ter um pénis “abaixo da média”, aproximando-se dos valores considerados “pénis pequenos”, ou, como alguns especialistas preferem chamar, “micropénis”.

Todas as cinco mulheres reconheceram que SIM, tamanho é documento, mas preste atenção: duas destacaram que “Se o pénis for grosso, o comprimento não tem tanta importância.” Outras duas sustentaram que “O pénis deve ser normal, nunca grande demais, porque muito grande machuca.” Acrescentaram: “Além de ser normal e grosso, o homem tem de saber usar.” Quanto à última, afirmou que “O pénis tem que dar para segurar com a mão toda.” Nenhuma das entrevistadas soube dizer precisamente qual o conceito de normal, quando questionada.

O segundo grupo (o de sete homens mais dotados) apresentou várias respostas. As negativas totalizaram quatro. Foram elas:

– Não. Habilidade com a língua, sim, é importante.

– Não. A química entre o casal é mais importante.

– Não. Pois há mulheres que sentem desconforto no ato sexual, que deixa de ser prazer, passando a ser tortura.

– Não. Há tamanho e gosto para todas.

Já dois deles partilharam da mesma opinião que as mulheres:

– Sim, mas o que importa é a espessura.

– Sim. Na medida certa; mas também, ter um bom tamanho, e não fazer nada, não é bom.

Por fim, o último disse que:

– Depende. Vai da “safadeza” da mulher, do tamanho da vagina, e, lógico, da espessura.

O último grupo, dos menos dotados, afirmou, de forma unânime, ter uma boa ereção e que não recebeu queixas dos seus relacionamentos sexuais.

Com os esclarecimentos expostos e tantas respostas para o mesmo assunto, pude constatar que sim, tamanho é documento. Porém, não do modo como a indústria sexual tenta apresentar, super valorizando o comprimento.  Além disso, especialistas corroboram a opinião do terceiro grupo de entrevistados, dizendo que as preliminares causam mais diferença no bom desempenho sexual, do que o tamanho do pênis.

Por isso, você homem fanático com o tamanho do seu pénis, que carrega para cima e para baixo a régua e a fita métrica, comece a pensar com a cabeça de cima.  Assim, pare de dar aquela espiadela básica para o pénis do outro.  Deixe de tentar entender porque você, com 1.80 m de altura, tem um membro menor do que a figura que se encontra a seu lado com apenas 1.50 m.  Não fique também a encarar absurdamente o homem de raça diferente da sua, como se ele tivesse uma aberração no meio das pernas.

Ao invés disso, vá melhorar a sua habilidade em estimular a parceira, o que, sem sombra de dúvida, é muito mais importante do que a dimensão do pénis.  E não se esqueça de que mais vale um pequeno trabalhador, do que um grande molengão.  Por fim, tenha sempre em mente o pensamento irreverente de uma das entrevistadas: “Não é o pénis do homem que é pequeno, o corpo é que é grande demais”.