Blog

Ginger Cookies

*
Serves 40
Write a review
Print
Prep Time
45 min
Cook Time
12 min
Total Time
13 hr
Prep Time
45 min
Cook Time
12 min
Total Time
13 hr
Ingredients
  1. 100g butter
  2. 1 cup brown sugar
  3. 4 tablespoons honey
  4. 2 cups flour
  5. 2 teaspoons ground ginger
  6. 1 teaspoon baking soda
  7. 1 beaten egg
  8. butter and flour to grease and dust the baking sheet (instead, I use parchment paper)
For the icing
  1. 1 teaspoon lemon or orange juice
  2. 1/2 cup confectioner's sugar
  3. food coloring, as needed (take care, if the icing becomes too liquidy you can add some more sugar)
Instructions
  1. In a small saucepan, mix the butter, brown sugar and honey, in low heat. Stirr with a spoon until you have a syrup. (Next time I think I'm going to sift the sugar. Those lumps end up dissolving only in the oven and sticking to the parchment paper);
  2. In a bowl, sift the flour/ginger/baking soda. Mix nicely than add the syrup and the egg. Keep mixing until you a have a uniform batter;
  3. Wrap the batter in plastic wrap. Don't worry about the consistency, because at first it is really soft. Put it in the fridge for at least 12 hours;
  4. Preheat the oven to 180 ºC (medium heat);
  5. Sprinkle a LITTLE BIT of flour on a countertop, roll out the batter (one half at a time), untill it's 0,5cm thick. Use the cutters or the edge of a glass;
  6. Line the baking sheets and distribute the cookies, allowing a distance of +-2cm between them. Bake for 12 minutes or until they became golden on the bottom side;
  7. Take out of the oven and allow to cool completely. When the cookies are firm, remove them from the sheet with a spoon or spatula. If you're in the mood, ice them. Keep in an airtight container, in a dry, ventilated place, away from direct sunlight;
For the icing
  1. In a small bowl, mix everything using a fork, until it turn into a cream that won't drizzle;
  2. Save some white icing and dye the rest in the desired colors;
  3. Decorate the cookies using a piping bag or a toothpick.
Notes
  1. http://www.florarefosco.com/posts/Recipes/22/squirrel-?lang=en
Irina Sopas http://irinasopas.com/

Plaice with Lemon Herb Sauce

*
Write a review
Print
Prep Time
10 min
Cook Time
15 min
Total Time
25 min
Prep Time
10 min
Cook Time
15 min
Total Time
25 min
Ingredients
  1. 2 200 g plaices
  2. 1 lemon - juice
  3. 2 tablespoons of liquid margarine for cook
  4. salt
  5. black pepper
  6. rosemary
  7. chives
  8. parsley
  9. thyme
Preparation
  1. Make a diagonally cut on each plaice;
  2. Place the fish in a Pyrex, season with salt and pepper - save;
  3. In a bowl mix the lemon, margarine, salt and chopped herbs;
  4. Spread the sauce over the fish;
  5. Bake in preheated oven at 180ºC for 15 minutes.
Notes
  1. Serve with white rice and salad.
  2. You can use sole fish if you want.
Irina Sopas http://irinasopas.com/

Bullar Buns

*
Serves 45
Write a review
Print
Prep Time
2 hr 35 min
Cook Time
20 min
Prep Time
2 hr 35 min
Cook Time
20 min
Ingredients
  1. 150g margarine or butter
  2. 5dl milk
  3. 50g (1 pack) yeast
  4. ½ teaspoon salt
  5. 1-1 ½ dl sugar
  6. Possibly 2 teaspoons crushed cardamom seeds
  7. Around 1,4 liters Flour
Filling
  1. 50-75gr margarine/butter, room temperature
  2. ½-1 dl sugar
  3. 2 teaspoons ground cardamom or 2 teaspoons ground cinnamon
Brushing and garnish
  1. 1 egg, pearl sugar, roasted almond flakes
Preparation
  1. Melt butter in a saucepan;
  2. Add the milk and let the mixture become lukewarm (about + 37C);
  3. Dissolve yeast in a bowl with a little of the liquid;
  4. Add the remaining liquid, salt, sugar, possibly cardamom and a little more than 2/3 of the flour;
  5. Knead the dough until smooth and elastic, about 4 minutes by machine or 8 minutes by hand;
  6. Add any additional flour but save at least 1 cup for rolling out the dough;
  7. Let the dough rise uncovered, about 30 minutes;
  8. Work the dough in the bowl and then take it on the floured counter;
  9. Knead out the dough until smooth;
  10. Divide the dough into 2 parts;
  11. Roll out each piece into a rectangular cake;
  12. Mix the ingredients for the filling and spread it on;
  13. Roll up and cut each roll into 24 pieces;
  14. Put them in paper form or on a baking sheet, cut side up;
  15. Let them ferment covered with a tea towel, about 30 minutes;
  16. Brush the buns with beaten egg and sprinkle evenly with pearl sugar or slivered almonds;
  17. Bake in 250C oven, 5-8 minutes.
Notes
  1. Picture from: http://annesfood.blogspot.pt/
Irina Sopas http://irinasopas.com/

Brown Bread

*
Serves 12
Write a review
Print
Prep Time
15 min
Cook Time
40 min
Total Time
2 hr 45 min
Prep Time
15 min
Cook Time
40 min
Total Time
2 hr 45 min
Ingredients
  1. 200 g of oatmeal
  2. 300 g of almond meal
  3. 500 g of whole wheat flour
  4. yeast for bread (for 1 kg of bread)
  5. salt
  6. 1 egg
  7. 300 ml of oil
  8. 500 ml of warm water
  9. 50 g of flaxseed
  10. 50 g of chia seeds
  11. 50 g of cardamom seeds (crushed)
Preparation
  1. Add the flour, the yeast, the seeds in a bowl and set aside;
  2. Beat the egg with warm water, the oil and a pinch of salt;
  3. Pour the liquid mix on the flours and mix by hand (the dough shouldn't stick to your hands, use more flour if necessary);
  4. Let the dough rise for an hour;
  5. Divide the dough into rolls of 150 g and let rise for another hour;
  6. Bake in preheated oven at 150 degrees for about 40 minutes.
Notes
  1. If you want allow cool and freeze.
Irina Sopas http://irinasopas.com/

Fudge

*
Write a review
Print
Prep Time
30 min
Total Time
7 hr
Prep Time
30 min
Total Time
7 hr
Ingredients
  1. 1 can condensed milk
  2. 375 g chocolate (for this i used 225 g milkchocolate and 150 g white)
  3. 1 tbls of icing sugar.
  4. Nuts, cookies to liking! (be creative!)
Preparation
  1. Put everything in a pan and melt it. Keep stiring;
  2. Take a baking tray (19 x 30 cm) and put a sheet of baking paper in it;
  3. When the chocolate is melted, put in the nuts or chocolate (or both);
  4. Mix it all up and put in the tray. Spread out even and place in fridge for about 5 to 8 hours… Just till it is set! Then cut the fudge into cubes.
Notes
  1. https://www.facebook.com/Danis-choice-1666146336936782/
Irina Sopas http://irinasopas.com/

Stuffed Cabbage

*
Serves 3
Write a review
Print
Prep Time
15 min
Cook Time
10 min
Total Time
25 min
Prep Time
15 min
Cook Time
10 min
Total Time
25 min
Ingredients
  1. 3 leaves of cabbage or kale of your choice
  2. stuff to your taste (I used shredded chicken breast with curry)
Preparation
  1. Separate the leaves of cabbage without breaking;
  2. Heat water in a pot large enough to enter the whole leaves;
  3. When the water is hot, dip the cabbage for about 4 minutes (long enough to soften without getting broken);
  4. Dip the cabbage in cold water to stop the cooking;
  5. Drain the leaves and fill the same with the stuff of your choice;
  6. Close the leaves and use toothpicks to hold;
  7. Bake in preheated oven at 180 degrees for 10 minutes.
Irina Sopas http://irinasopas.com/

Vegetable Turnovers

*
Write a review
Print
Prep Time
20 min
Cook Time
30 min
Total Time
50 min
Prep Time
20 min
Cook Time
30 min
Total Time
50 min
Ingredients
  1. 1 whole wheat pizza dough (I use store bought, but you can make this yourself if you choose)
  2. 1/2 of a zucchini
  3. 1 ear of corn
  4. 3/4 cup green peas (frozen or fresh)
  5. 1 1.2 cups Butternut squash, diced
  6. 1/2 of a small red onion
  7. 2 tablespoons of goat cheese (or a dairy-free cheese alternative if you want this to be vegan)
  8. 2 teaspoons of tarragon
  9. 1/2 habanero pepper thinly chopped (omit or adjust based on spice tolerance)
  10. Salt & pepper to taste
  11. Olive oil
Preparation
  1. Preheat oven to 400 degrees F;
  2. Preparing the vegetables: dice the zucchini into small pieces. Remove the kernels from the corn. Remove the skin from the squash and dice it into approximately 1/2 inch pieces. Slice the onion into small wedges. Crush/chop the garlic;
  3. Place the butternut squash pieces onto a tray. Coat with a small amount of oil and season with salt and pepper. Place in oven and roast the squash until it is soft on the inside and has a slight crispiness on the outside;
  4. While the squash is roasting, heat a small amount of oil in the pan. Fry the onion until it begins to turn slightly crispy- approximately 3-5 minutes. Add the garlic, habanero pepper, zucchini and corn and continue to fry until the vegetables are cooked through. remove from heat. Stir in the tarragon and goats cheese and season with salt/pepper to taste;
  5. Cook the green peas and then mash them slightly;
  6. Separate the pizza dough into 4 equal segments. Roll out each segment until approximately 4 mm in width;
  7. Once the squash is roasted, turn the oven down to 350 degrees F. Mix the roasted squash in with the zucchini/corn mix;
  8. Divide the vegetable mixture into four equal parts and place onto the center of each piece of dough. Divide the peas and place them on top of the vegetables. Fold the dough over and join the edges together with a fork;
  9. Lightly spray or brush a baking tray with oil and place the turnovers onto the tray. Brush a small amount of olive oil on top of each turnover and then place in the oven. Bake for 30 minutes and then turn over and bake for a further 10 minutes (baking time may need to be adjusted based on your oven. Turnovers should be ready when the crust has turned golden brown).
Notes
  1. Serve with a salad or enjoy on their own.
  2. http://www.whole-healthandwellness.org/recipes/2015/9/17/vegetable-turnovers
Irina Sopas http://irinasopas.com/

The Art of Being Resilient

A ARTE DE SER RESILIENTEAtualmente, tornou-se habitual ouvirmos no dia-a-dia que temos de ser    resilientes, ou que a resiliência deveria ser característica intrínseca ao ser humano. Se calhar, até você já falou nisso; mas, porventura já procurou saber o verdadeiro significado da palavra resiliência? Ou, como tal propriedade possa ser proveitosa na sua vida, no seu trabalho, nos seus relacionamentos; enfim, no cotidiano? A questão é trabalhada em inúmeras áreas, como: saúde, administração, economia, sociologia e psicologia.

No Brasil, a resiliência é uma proposta recente. Por isso, o seu conceito às vezes se torna incompreensível ou polémico. Porém, o termo já é utilizado na América do Norte, há alguns anos. Hoje, podemos encontrar alguns livros que abordam o assunto: Resiliência: Descobrindo as Próprias Fortalezas, de Aldo Melillo e Elbio Néstor Suárez Ojeda; El Poder de La Resiliência, de Brooks; entre outros.

O que seria essa arte? A palavra se origina do inglês resilient. Foi inicialmente utilizada na Física. De acordo com o Dicionário Aurélio, trata-se da “propriedade pela qual a energia armazenada em um corpo deformado é devolvida quando cessa a tensão causadora duma deformação elástica”. De modo figurado, é a “resistência ao choque”. No âmbito da Psicologia, refere-se à capacidade do ser humano de vencer dificuldades, superar contrariedades, obstáculos, por mais fortes e traumáticos que sejam. Seria a faculdade de passar por experiências adversas, sem prejuízo para o desenvolvimento. Essas experiências podem ser a morte de um parente querido, um fim de relacionamento, a perda de um emprego, pressão no trabalho, etc.

O ser humano deve ser capaz de descobrir novas formas de lidar com a vida. A partir dos traumas e sofrimentos, reorganizar-se de maneira eficaz, obtendo progresso ou crescimento.

“A vantagem, se existe alguma, em estar no fundo do poço é que qualquer movimento leva-nos para cima.” – Donald Trump.

Possui a arte da resiliência o ser humano que, ao ser submetido a adversidades, tenha capacidade de superá-las sucessivamente, moldando-se a cada obstáculo e desafio.

Por outro lado, a prática dessa arte exige um foco, pois sem um motivo concreto o individuo não se sentirá motivado e, por conseguinte, terá maior dificuldade para superar os entraves. Existem dois tipos de indivíduos: os que nascem resilientes e os que se tornam.

O administrador Leonardo Grapeia, ressalta algumas dicas que podem ajudar. São sugestões úteis para todos nós, em qualquer área profissional ou situação: Mentalizar seu projeto de vida, mesmo que não possa ser colocado em prática imediatamente; sonhar com seu projeto é confortante e reduz a ansiedade. Aprender e adotar métodos práticos de relaxamento e meditação.

  • Praticar esporte para aumentar o ânimo e a disposição. Os exercícios aumentam nossos níveis de endorfina e testosterona, consequentemente, proporcionando sensação de bem-estar.
  • Procurar manter o lar em harmonia, uma vez que é o “ponto de apoio para recuperar-se”.
  • Aproveitar parte do tempo para ampliar os conhecimentos, pois isso aumenta a autoconfiança.
  • Transformar-se em um otimista incurável, visualizando sempre um futuro bom.
  • Assumir riscos (ter coragem).
  • Tornar-se um “sobrevivente”, repleto de recursos no mercado profissional. Apurar o senso de humor (desarmar os pessimistas).
  • Separar bem quem você é, do você que faz.
  • Usar a criatividade para quebrar a rotina.
  • Examinar a sua relação com o dinheiro.
  • Permitir-se sentir dor, recuar e até enfraquecer para, em seguida, retornar ao estado original.

Agora que já sabe um pouco mais sobre a arte de ser resiliente, pergunto: você nasceu resiliente ou precisa tornar-se resiliente? Por via das dúvidas, pratique, pois desenvolverá a faculdade de ultrapassar, de forma positiva e progressiva, obstáculos e infortúnios tanto pessoais quanto profissionais que, no passado, se mostravam pedras no seu caminho.

Published 01/08/2011

Orchids – Vase Change

Orquidea 2A

Summer has ended and with it the colorful of orchids. The stem dried, the flowers have fallen and all that remains is the beautiful green of the leaves.

This is the point at which a change of the vase becomes possible or not. As well as the cutting of the stalks, the season for transfer the orchids from one vase to another is controversial.

Unfortunately the orchidophiles not reached a consensus and for apprentices as I this can be a drama. So I decided to follow the advice from the Central Gardening girl and chose to make the exchange of vase now, because although not the moment of the birth of new roots and sprouts, there is also no chance of damaging the flowers and stalks.

HOW TO DO THE CHANGE OF THE VASE 

1. To detach the roots of the orchid immerse the vessel in a bucket/basin with water and orchids fertilizer for a few minutes.

20150919_164308

2. While they are submerged, prepare the new vase by placing the specific substrate for orchids in the fund.

20150919_164256

3. Remove the orchid from water and prune the dead roots as old pseudobulb (if you prefer instead of discard them try new seedlings from pseudobulb).

20150919_164352

4. Finally very carefully placing the orchid in new vase without damaging the roots. She must enter without being pressed. Complete with substrate.

20150919_172854

Note: Don’t water the orchid  in the coming days to not putrefy the root.

My mother orchids

OrquideasAí está uma coisa que eu nunca pensei em ter: orquídeas! E os motivos são simples: flores sempre morreram nas minhas mãos por excesso de cuidado, e com as orquídeas o buraco é mais fundo. Há uns anos a minha amada mãe ofereceu-me uma linda orquídea, e o que foi que a inteligência rara da escritora-blogueira-aprendiz-de-jardineira-e-estudante aqui fez? Quando as flores caíram joguei fora! Ora convenhamos, era o mais sensato a fazer não? Para que serve uma flor, sem o colorido das flores? :D.

É eu sei, ignorância nem sempre é uma bênção, mas a realidade é que dias depois a minha mãe foi visitar-me e quando lhe disse que jogara fora a orquídea porque a coitada tinha ficado careca ela quase teve um ataque cardíaco… Enfim, os tempos são outros, agora sou aprendiz de jardinagem e já sei que não se jogam plantas no lixo só porque as flores caíram. Seja como for, no ano passado a minha mãe adquiriu algumas orquídeas (outras recebeu de presente) e deixou-me com a missão de rega-las quando ficassem sem água e apenas com o equivalente a uma chávena de café.

Simples não? Olhar o vaso, ter certeza de que estava seco e colocar água. É! Parecia fácil, e então a primavera acabou, elas “encarecaram” e as hastes (que eu chamava de troncos ou paus) ficaram secas! Isso não estava nos meus planos. O que fazer?

FICHA TÉCNICA

ORIGEM: Selvas tropicais
ESPÉCIES MAIS COMUNS: phalaenopsis, cymbidium, cattleya, cambria e paphiopedilum
ALTURA: até 1 m segundo a espécie
FLORAÇÃO: Variável
MANUTENÇÃO: Delicada
SUBSTRATO: Bem drenado
LOCALIZAÇÃO: Iluminada

COMO CUIDAR

AS QUE EU TENHO, OU MELHOR AS DA MINHA MÃE

São da espécie phalaenopsis, também chamadas de orquídea mariposa ou orquídea borboleta. Têm procedência em países como as Filipinas, Indonésia, Malásia, Sumatra, China e Taiwan (Ásia Tropical), crescem em cima das árvores, e as suas raízes são aéreas (acho que isso quer dizer que não estão enterradas, mas já vos disse sou aprendiz na jardinagem).

LOCALIZAÇÃO

Por experiência própria aprendi que precisam de meia-sombra, isto é, iluminação clara durante todo o ano, mas nunca, repito nunca de sol directo. Mas por que não sol directo? Simples: o sol em excesso irá queimar as folhas! Começam com manchas brancas que se tornam amarelas; este dano embora irreversível fica restrito a folha queimada, contanto que a planta seja retirada do sol imediatamente, lembrando que as folhas são necessárias a sua sustentação. Como sei disso? Sei porque foi o que aconteceu comigo quando a cortina que protegia as orquídeas caiu-me na cabeça e o sol arrasou a folhagem. Não sei se o excesso de sol pode provocar outros danos a flor, mas esse já constatei, por isso mantenha as suas orquideas phalaenopsis longe de raios solares imediatos.

REGA 

Devem ser regadas com água mineral (acabei de descobrir isso – tenho usado água da torneira) sem encharcar a planta. Não existe uma regra para aguar a sua phalaenopsis. Coloque um pouco de água quando raiz apresentar-se menos húmida, sempre vigiando para que as mesmas não apodreçam. No verão costumo regar uma vez por semana (com a medida da chávena de café), mas no inverno isso varia bastante, e já fiquei um mês inteiro sem regar.

ADUBAÇÃO

As orquídeas assim como todas as plantas que não se encontram no seu habitat original precisam de reposição de nutrientes e para isso é necessário adubar. Eu não sabia disso, mas quando elas “encarecaram” fiquei desesperada e comprei um adubo da COMPO SANA  próprio para orquídeas e em pânico adubava todas as semanas, mas uma adubação mensal é mais do que suficiente para manter as orquídeas nutridas.

HASTE: CORTAR OU NÃO CORTAR, EIS A QUESTÃO

Existe uma grande polémica entre os especialistas, vulgo orquidófilos, com relação ao que fazer quando as phalaenopsis “encarecam” e as hastes ficam secas e debilitadas. Alguns dizem para cortar a haste até a base, enquanto outros defendem a manutenção da mesma. Eu cortei! Na dúvida segui o conselho da minha tia e cortei as hastes ressecadas bem rentes até as folhagens. Resultado: nasceram vários brotos, muito mais resistentes do que os anteriores, mas ressalto, isso foi o que funcionou comigo, pode ser que a sua phalaenopsis se dê melhor com a manutenção da haste sem corte. É uma questão de testar.

PRAGAS E DOENÇAS

Porque nem tudo são flores atractivas de cores vibrantes, as orquídeas também são vitimas de pragas e doenças. As mais comuns:

Piolho: pequenos insectos sugadores que atacam os rebentos jovens e botões florais, principalmente na primavera. Agrupados em colónias, deformam e debilitam a planta, sendo o seu crescimento débil. Solução: aplica-se por toda a planta um insecticida especifico.

Tripes: insectos muito pequenos que sugam e picam os tecidos, descolorando e manchando as folhas e flores. Os botões florais atacados caem, ou desenvolvem uma flor deformada. São portadores de viroses. Solução: controlam-se mediante a aplicação de um insecticida sistémico.

Pythium: é um fungo que ataca principalmente as raízes. Estas apodrecem e ficam com manchas escuras e secas. A planta tem uma debilidade geral devido ao mau funcionamento da raiz. Ter em atenção as regas excessivas, para que não apareça o fungo. Solução: se necessário tratar com um fungicida especifico.

Fontes

COMPO Agricultura, Guia prático para o cuidado de Plantas e Flores, 1a ed.
My First Orchid