Ano novo vida nova – A santa promessa anual

“Ano novo, vida nova” é o que você ouve e diz todos os finais de ano, sem sequer refletir sobre o verdadeiro valor de tal frase. A santa promessa, anual, de que no novo ano tudo será diferente, de que o “velho” dará espaço para o “novo” não é mais novidade. E com a cabeça transbordando de ideias você, eu e muitos outros passamos os últimos dias do ano ansiosos, com o começo do próximo, para cumprir tal promessa.

A maioria esmagadora inicia o novo ano com a auto-análise debitando os fracassos e as decepções do ano que passou, e creditando no ano novo a esperança e os sonhos. Muitos ficam tão envolvidos com o ditado, em questão, que chegam a fazer listas com metas profissionais, amorosas, dietas, etc., que dificilmente saem do “papel”; isso para não dizer, do arquivo de texto do computador. Outros mais empenhados – uma minoria – imprimem, recortam e carregam o cardápio de objetivos, na carteira, como amuleto da sorte, para não esquecerem.

A realidade é que, os meses vão passando e, nos distanciamos, cada vez mais, do que nos propusemos, no final do ano anterior, e concluímos que sim, o ano é novo, mas a vida é a mesma; os horários de sono permanecem trocados; as bebedeiras e ressacas são iguais ou piores que as passadas; a infidelidade e deslealdade ainda se fazem presentes, entre os que mais amamos – assim como a despesa, mensal, da academia que jamais fomos, a dieta que também não conseguimos cumprir. Isso para não falar daquela promoção no trabalho que o chefe prometeu e vive sendo adiada.

O problema é que, quando finalmente nos apercebemos disso, adivinhe só? O ano já terminou e mais uma vez você, eu e muitos outros entendemos que de nada serviu deixar as decepções e os fracassos no passado, porque eles fazem e sempre farão parte da nossa vida e que a vida é feita de altos e baixos. Ainda assim, seguimos em frente e, mais uma vez, com a proximidade do “novo” repetimos a santa promessa anual e nos obrigamos a acreditar pela milionésima vez no ditado: “Ano novo, vida nova”.

Mas por que isso acontece? Por que acreditamos que, no início de cada ano, será possível “formatar” o passado e nos reinventarmos através de metas pré-estabelecidas? Será cultura de renovação da nossa sociedade, essa teoria de mudança ilusória que se repete ano após ano e apenas nos certifica de que as metas nada mais são que fantasias.  Você não acredita que antes de se debruçar sobre metas e promessas, deve se questionar sobre o seu desejo de mudança?

Pois bem, não sou especialista no assunto, mas, por experiência própria, sei que o anseio de mudança deve ser verdadeiro, real. Você precisa querer tornar-se diferente – física ou moralmente – para que tal mutação aconteça, de forma qualitativa e significativa, na medida em que você pode até traçar metas, mas se não tiver coragem de olhar para si mesmo e se permitir mudar; simplesmente repetirá os mesmos erros do passado, não obtendo o que você planejou.

Como você pretende levar algo adiante, se a sua atitude, o seu comportamento; permanecem os mesmos? Você apenas buscou uma inspiração externa para conseguir algo, não fazendo o mais importante que é a mudança interna lenta e gradual.

É por isso que o processo de transformação deve partir de dentro para fora e não de forma contrária, pois você pode até conseguir alcançar um objetivo ou outro, mas digo-lhe: as chances de manutenção serão nulas. Você não se preparou para isso. E, assim, acabará por acumular um fracasso atrás de outro. Não é isso que você quer. Afinal, embora saiba que aquelas decepções e fracassos do passado o tenham trazido até este ponto e tenham, de alguma forma, contribuído para a pessoa que é, devem ficar para trás permitindo uma abertura para o novo, para o futuro.

Você não pode querer ser diferente por ninguém e para ninguém, a não ser para si mesmo. Não deve seguir a tendência de “todos” com a criação de metas ou prática de mandingas, muito menos atribuir tal transformação à passagem do ano; você deve, sim, mudar em cada oportunidade e possibilidade cotidianas, relembrando, sim, os insucessos, mas colocando em prática o que aprendeu com eles e, acima de tudo, parar de repetir “Ano novo, vida nova”, a cada novo ano que se inicia. Acho mesmo que, só assim, esse anexim, essas palavras ao vento, poderão se transformar em realidade e você, eu, nós consigamos uma “vida nova”, o ano inteiro e não apenas uma santa promessa anual.

Não sei se real ou, apenas, imaginário, o ano novo renova as energias, mostra que pudemos novamente iniciar um caminho de sucesso. Agora, sejamos pragmáticos: Como querer que tudo seja bom, se não trilhamos este caminho no nosso dia a dia? Não lembro se Sócrates ou Maomé, mas já haviam dito: “As escolhas que você fez no passado, te trouxeram onde você está hoje. Mas as que você fizer, agora, te levarão a um futuro que você nunca imaginou”.

Afinal, como já lembrou o poeta Carlos Drummond de Andrade, na sua Receita de Ano Novo:

“Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor do arco-íris, ou da cor da sua paz,
não precisa
fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.

Para ganhar um Ano Novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre”.

*Agradeço as sugestões e opiniões dadas por Vicente Freitas no desenvolvimento desse artigo.

A arte de ser resiliente

Atualmente, tornou-se habitual ouvirmos no dia-a-dia que temos de ser    resilientes, ou que a resiliência deveria ser característica intrínseca ao ser humano. Se calhar, até você já falou nisso; mas, porventura já procurou saber o verdadeiro significado da palavra resiliência? Ou, como tal propriedade possa ser proveitosa na sua vida, no seu trabalho, nos seus relacionamentos; enfim, no cotidiano? A questão é trabalhada em inúmeras áreas, como: saúde, administração, economia, sociologia e psicologia.

No Brasil, a resiliência é uma proposta recente. Por isso, o seu conceito às vezes se torna incompreensível ou polémico. Porém, o termo já é utilizado na América do Norte, há alguns anos. Hoje, podemos encontrar alguns livros que abordam o assunto: Resiliência: Descobrindo as Próprias Fortalezas, de Aldo Melillo e Elbio Néstor Suárez Ojeda; El Poder de La Resiliência, de Brooks; entre outros.

O que seria essa arte? A palavra se origina do inglês resilient. Foi inicialmente utilizada na Física. De acordo com o Dicionário Aurélio, trata-se da “propriedade pela qual a energia armazenada em um corpo deformado é devolvida quando cessa a tensão causadora duma deformação elástica”. De modo figurado, é a “resistência ao choque”. No âmbito da Psicologia, refere-se à capacidade do ser humano de vencer dificuldades, superar contrariedades, obstáculos, por mais fortes e traumáticos que sejam. Seria a faculdade de passar por experiências adversas, sem prejuízo para o desenvolvimento. Essas experiências podem ser a morte de um parente querido, um fim de relacionamento, a perda de um emprego, pressão no trabalho, etc.

O ser humano deve ser capaz de descobrir novas formas de lidar com a vida. A partir dos traumas e sofrimentos, reorganizar-se de maneira eficaz, obtendo progresso ou crescimento.

“A vantagem, se existe alguma, em estar no fundo do poço é que qualquer movimento leva-nos para cima.” – Donald Trump.

Possui a arte da resiliência o ser humano que, ao ser submetido a adversidades, tenha capacidade de superá-las sucessivamente, moldando-se a cada obstáculo e desafio.

Por outro lado, a prática dessa arte exige um foco, pois sem um motivo concreto o individuo não se sentirá motivado e, por conseguinte, terá maior dificuldade para superar os entraves. Existem dois tipos de indivíduos: os que nascem resilientes e os que se tornam.

O administrador Leonardo Grapeia, ressalta algumas dicas que podem ajudar. São sugestões úteis para todos nós, em qualquer área profissional ou situação: Mentalizar seu projeto de vida, mesmo que não possa ser colocado em prática imediatamente; sonhar com seu projeto é confortante e reduz a ansiedade. Aprender e adotar métodos práticos de relaxamento e meditação.

  • Praticar esporte para aumentar o ânimo e a disposição. Os exercícios aumentam nossos níveis de endorfina e testosterona, consequentemente, proporcionando sensação de bem-estar.
  • Procurar manter o lar em harmonia, uma vez que é o “ponto de apoio para recuperar-se”.
  • Aproveitar parte do tempo para ampliar os conhecimentos, pois isso aumenta a autoconfiança.
  • Transformar-se em um otimista incurável, visualizando sempre um futuro bom.
  • Assumir riscos (ter coragem).
  • Tornar-se um “sobrevivente”, repleto de recursos no mercado profissional. Apurar o senso de humor (desarmar os pessimistas).
  • Separar bem quem você é, do você que faz.
  • Usar a criatividade para quebrar a rotina.
  • Examinar a sua relação com o dinheiro.
  • Permitir-se sentir dor, recuar e até enfraquecer para, em seguida, retornar ao estado original.

Agora que já sabe um pouco mais sobre a arte de ser resiliente, pergunto: você nasceu resiliente ou precisa tornar-se resiliente? Por via das dúvidas, pratique, pois desenvolverá a faculdade de ultrapassar, de forma positiva e progressiva, obstáculos e infortúnios tanto pessoais quanto profissionais que, no passado, se mostravam pedras no seu caminho.